terça-feira, 29 de agosto de 2017

Pizza Pilgrims_CasacomVinho



Outro dia através de uma indicação na internet fui conhecer a Pizza Pilgrims.
É uma pizzaria pequena (pelo menos a parte de cima) e mesmo com poucas mesas o atendimento foi bem ruim.


Esse é o Calzone deles, estava gostoso, mas pela massa ser muito fina com recheio no meio ficou úmida.
Em outros posts falarei de outras pizzas que experimentei, mas é bem difícil achar uma pizza boa em Londres (na minha opinião).

Se alguém quiser experimentar:
23 Garrick Street, WC2E 9BN
Pizzapilgrims.co.uk

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Loja de Champagne e Queijos_CasacomVinho




Sabe aquele dia que você está andando sem rumo e acha alguma coisa por acaso? Essa loja foi assim...
Eu tinha ido almoçar em Covent Garden e depois do almoço dei de cara com essa loja.


Pequenininha, mas muito charmosa, e tive que fazer como os europeus, comer o queijo para encerrar a refeição... Com Champagne, claro.


A loja Chama Champagne Fromage

domingo, 27 de agosto de 2017

Origem da Polenta


A Polenta, nome de origem latina, de "pollen, que significa flor de farinha, é um alimento muito antigo, anterior ao surgimento do pão. Conhecida à época do Império Romano, não com farinha de milho, como hoje a preparamos, mas sim com grãos esmigalhados de fava ou de farro. Este, um cereal semelhante ao trigo, porém de consistência bem mais dura.

    Consta que o cultivo de grãos começou no Egito há 6000 anos. A princípio eram ingeridos sem qualquer processamento, e depois eram transformados em farinhas, por um um processo rudimentar: eram triturados entre duas pedras em movimentos rotatórios. Adicionados à água, a massa obtida era colocada sobre pedras aquecidas.



       Atribui-se, porém, aos romanos o pioneirismo no consumo da polenta. Preparavam um prato denominado "pultem", com grãos de farro esmagados e cozidos com água, de consistência mole, o qual temperavam com queijos, carnes ou molhos diversos. Já os cartagineses a temperavam com mel, ovos e queijos.

    Data de 1300 um manuscrito que descreve uma "torta de farro" parecida com a nossa polenta: temperada com leite, toucinho e queijo e gratinada em recipiente coberto. Do século seguinte há o registro de uma receita que aconselha a cozinhar a farinha de farro em caldo de carne e temperá-la com gordura de porco, queijo, carne, açúcar, ovos e açafrão.

A Culinária Romana

    Com o esfacelamento do Império Romano e a invasão dos bárbaros, a polenta continuou a ser consumida, o que persistiu por toda Idade Média. A alimentação medieval baseava-se na culinária romana e a polenta se constituía na base de toda alimentação. Constante na mesa dos camponeses, muitas vezes como único alimento, era também um dos pratos mais usados pelos nobres, principalmente em grandes banquetes, por ser um ótimo acompanhamento de carnes e aves selvagens, muito apreciados à época, dada a grande fartura.

    Era preparada com grãos de cevada, aveia, arroz e outros cereais. Foi somente depois da descoberta da América, com a difusão do milho pela Europa, no Século XVI, que a polenta passou a ser também preparada a partir do milho. Havia porém uma região Italiana, a Friuli Venezia Giulia, que em 1550 já conhecia a polenta de farinha de trigo amarela. Por esse motivo, essa região tornou-se a verdadeira pátria da polenta .

    Na Itália, tradicional na região norte, onde é preparada freqüentemente com ervas aromáticas, a polenta perdeu a característica de cozinha simples e popular. Preparada com condimentos delicados e molhos tradicionais, é ótima para ser servida com acompanhamentos variados, desde embutidos (presunto, lingüiça, mortadela...) carnes, queijos até cogumelos e ostras. Em Cremona, cidade da região da Lombardia, a polenta é famosa por receber molhos deliciosos enobrecidos com ervas aromáticas como a hortelã, ou numa receita clássica que leva "lumache" (escargots) misturados a uma porção de cogumelos secos.

    Há uma diversidade de farinhas com que se pode fazer polenta, mas nada mais tradicional que a de farinha de milho. Para fazer uma polenta de consistência normal, use um litro e meio de água para meio quilo de fubá, sal a gosto e uma colher de azeite. Aumente a quantidade de água, se preferir uma polenta menos consistente. Estas quantidades são aproximativas, regra geral é necessário maior quantidade de água quando se usa farinha velha.
http://www.italiaoggi.com.br/gastronomia/saibamais/ita_gastro_saibamais02.htm


A polenta como conhecemos hoje é feita de farinha de milho e tem origem italiana, mas não foi sempre assim.  Na antiguidade do Egito, Grécia, Itália, entre outros, a polenta era feita de outros tipos de farinhas, como trigo ou aveia.  Era uma mistura cozida na água resultando em um mingau de consistência mais rígida.  No antigo império romano era o prato mais consumido e como o período medieval manteve essas características a polenta acabou se tornando a base alimentar da época.
Somente com a chegada de Cristóvão Colombo no final do século XV, retornando da América, a Europa conheceu o milho. Na Itália o milho começou a ser cultivado ao norte onde a polenta passou a ser feita como conhecemos hoje, com a farinha de milho.
Na segunda guerra mundial, onde a escassez de alimentos era uma realidade e o racionamento necessário, o alto valor nutritivo e a facilidade do cultivo e estocagem do milho fizeram da polenta uma das principais fontes de alimento na Itália dessa época.
Com a imigração italiana para o Brasil, por volta de 1870, a polenta também chega por aqui onde permanece até os dias de hoje, nos proporcionando desfrutar desse maravilhoso prato da gastronomia internacional.
http://www.companheirosdoverde.com.br/cdv/index.php?option=com_content&view=article&id=307:a-historia-da-polenta&catid=42:gastronomia&Itemid=60


Polenta é um alimento típico da culinária Italiana, mas que tem amplo uso e aceitação em diversos países, como Argentina e o Brasil. Sua base é a Farinha de Milho.[1][2]
Antes da chegada de imigrantes italianos, já se consumia no Brasil uma forma de polenta de milho denominada angu que pode ter a consistência de uma polenta firme ou cremosa, mas que nunca era grelhado ou frito. Existe na Ilha da Madeira um prato típico muito parecido, as papas de milho, que é consumido logo depois de cozido a acompanhar peixe, ou então frito, a acompanhar a espetada madeirense de carne de vaca.
A polenta tem origem na região norte da Itália. Constituía a base alimentar (o prato mais consumido) da população e dos legionários romanos. Era feita principalmente de farinha de aveia, mas podiam ser utilizadas farinhas de outros cereais como o trigo.
Pouco depois da chegada dos espanhóis ao Caribe em 1492, o milho foi introduzido na Europa. Na Itália, o milho passou a ser cultivado primariamente no norte, onde as chuvas são abundantes. A partir de então é que a polenta passou a ser feita de farinha de milho.
A polenta de milho tornou-se o principal prato nas regiões de Veneza e Friuli, onde passou a substituir o pão (feito com trigo) e o macarrão. Inicialmente restrita a essas regiões, em pouco tempo a polenta passou a dominar todos os aspectos da culinária italiana.
Sua textura varia bastante, de firme nas regiões de Veneza e Friuli a cremosa na região de Abruzzi. A polenta sempre foi feita da mesma forma: com bastante esforço e paciência, misturando a pasta de milho em caldeirões de cobre, aquecidas sob o fogo.
Pode ser servida mole, dura, grelhada ou frita. Pode ser recheada com uma miríade de molhos ou outros ingredientes, acrescentados enquanto ela ainda está mole.
Antigamente considerada "comida de pobres", a polenta hoje é usada em diversas casas e restaurantes, sem essa conotação.
Recentemente, a indústria alimentícia lançou polentas pré-preparadas, para serem feitas em refeições instantâneas.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Polenta


quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Restaurante Zuma Londres_CasacomVinho



O melhor restaurante que comi em Londres (e o restaurante mais caro também)...
Quer ir a um restaurante japonês, ter um menu degustação com uns 13 itens, vinho recomendado por um sommelier ( e uma carta de vinhos muito bem elaborada).
Você tem que conhecer o Zuma Restaurante.







Eu fui a um restaurante Michelin aqui em Londres, mas tive uma decepção. Aqui realmente vale a pena.
Fui a outros japoneses bem gostosos, que você paga de 45 a 70 libras, mas não se comparam a esse que paguei por volta de 110 libras com vinho e água.

Endereço5 Raphael St, Knightsbridge, London SW7 1DL

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Restaurante Ibérica Londres_CasacomVinho



Quer comer comida espanhola em Londres? Também tem...
Fui ao restaurante Ibérica, muito bom.
Além da comida gostosa eles tem uma carta de vinhos muito boa e o sommelier pode te recomendar o vinho.




 London - (0) 207 6368 650


terça-feira, 22 de agosto de 2017

Restaurante Estrela_CasacomVinho

Outro dia fui ao Restaurante Estrela, um restaurante português muito gostoso, comida caseira, farta e barata, vale a pena conhecer...





ENDEREÇO:

111 - 115 South Lambeth Road, Londres, Reino Unido, SW8 1UZ

HORAS DE ABERTURA

✬✬✬ Seg - Sáb: 08:00 - 24:00 ✬✬✬ ✬✬✬✬✬ Sol: 09:00 - 23:00 ✬✬✬✬

NÚMERO DE TELEFONE

020 7793 1051

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

San Sadurni D'Anoia_CasacomVinho

Aqui um pequeno vídeo sobre San Sadurni D'Anoia...




Cava_Casa com Vinho

Sant Sadurní d'Anoia é um município da Espanha na província de Barcelona, comunidade autónoma da Catalunha, de área 19,01 km² com população de 11034 habitantes (2004) e densidade populacional de 580,43 hab/km².


No site oficial você tem várias informações de como chegar, reservas, etc.

Estive ontem nessa pequena e graciosa cidade conhecida como a Capital del Cava, mas também chamada de cidade da felicidade (por ter Cavas e Chocolate).
Minha primeira visita foi à Fábrica de Chocolate Simón Coll.


É bem bacana, você assiste a um vídeo interativo sobre produção de chocolate, vê uma pequena parte da operação da fábrica e degusta chocolates.

Todas as visitas na cidade geralmente tem que ser agendadas com antecedência.

Depois dessa visita fui a uma vinícola pequena, mas que possuí vinhos fantásticos: Gramona.
Tive muita sorte pois mandei um email no dia anterior e a Mireia me respondeu prontamente que teria um grupo no dia seguinte e que eu poderia participar da visita.

Uma vinícola familiar que começou as atividades em 1881.
Inicialmente produzia só Cavas, mas que vem produzindo também vinhos tranquilos e doces de muita qualidade.





Fizeram questão de nos mostrar o processo de "degorgement"que um senhor lá é o único que faz manualmente, realmente incrível.



Para quem quiser conhecer realmente vale a pena, agende com: mireia@gramona.com

E AQUI você pode ver um pequeno vídeo da cidade...



domingo, 20 de agosto de 2017

Cordeiro com Batata Gateau_CasacomVinho

Ingredientes para um prato:

Para o cordeiro:
1 unidade de Carré de cordeiro francês
Sal
Pimenta suficiente
20ml de azeite
30g de manteiga

Para molho:
200g Blackberries
30 kg Cebola
20ml de azeite
50ml de vinho tinto
30g de açúcar
Sal

Para enfeitar:
3 unidades Mini cenouras
1 Alho porró
Óleo para fritar

Batata Gateau
1 unidade Batata
1/4 abóbora
Sal e pimenta preta moída suficiente
50 g de manteiga
100ml de creme de leite fresco

Preparação:
Para o cordeiro:
1- Tempere o cordeiro com sal e pimenta.
2- Aqueça uma frigideira, coloque o azeite e a manteiga.
3- Sele a carne em todos os lados.
4- Asse em 190oC por aproximadamente 12 minutos.
5- Corte as costeletas e sirva.

Para molho:
1- Corte a cebola em brunoise.
2- Coloque o óleo em uma panela de molho, aquecer e suar a cebola.
3- Coloque metade da fruta com vinho, açúcar, sal e deixe-a reduzir.
4- Apague o fogo e sirva com carne.

Para acompanhar:
1- Corte as folhas de cenouras e leve à manteiga por alguns minutos.
2- Corte os alhos porró muito finos e frite até ficar crocante.
3- Para as batatas: Corte as batatas com um aro, tire uma tampa, remova a
Núcleo com um boleador. Tempere com sal. Coloque a manteiga no interior e assar com
Ervas como tomilho e alecrim para saborizar 200 °C por 20 minutos ligados
Todos os lados (lembre-se que a tampa de assar mais rápido).
4- Para a abóbora: cozinhe em água salgada até ficar macia. Coloque no processador
Com pimenta, manteiga e um pouco de creme. Purê até ficar liso e cremoso,
Você tem que ficar com consistência semelhante de queijo cremoso. Recheie a


Batata com este purê, coloque a tampa e sirva.

Pera cozida com Especiarias_CasacomVinho

Ingredientes:
1 unidade Brie
1 unidade de Pera Willians
2g Cravo
3g Anis estrelado
3g Canela
3g de Pimenta rosa
200g de Açúcar
300 ml de Água

Preparação:
1- Coloque a água, o açúcar e as especiarias em uma panela e leve ao fogo até
reduzir um pouco.
2- Corte as peras em fatias.
3- Quando o xarope tiver reduzido, coloque as peras, desligue o fogo e tampe.
4- Corte o tamanho desejado do queijo e asse em 190 °C durante 2 minutos para aquecer.
5- Decore com mistura de saladas, folhas de salsa, flores e as especiarias da calda.

Competição entre chefs em Londres_CasacomVinho

Bom dia pessoal,

Esse ano participei de uma competição interna entre os Chefs da empresa que eu trabalhava Peyton and Byrne.
Cheguei até a final com uma entrada e um prato principal, estou colocando as receitas nos links para vocês...





terça-feira, 15 de agosto de 2017

Chianti Cecchi casa com massa Alla Amatriciana

Comprei este vinho no aeroporto de Pisa quando voltei da minha viagem para a Itália.


Eu fiz a harmonização deste vinho com uma deliciosa massa Alla Amatriciana . Aqui você pode ver a receita.
O vinho tem uma cor rubi, claro, brilhante.
No nariz apresenta frutos vermelhos.
Tem um corpo médio, boa acidez, com um pouco de álcool deixado, confirma a groselha que senti no nariz e tem uma boa persistência.

Foi um bom acompanhamento para a pasta, um complementou o outro.

Pasta Alla Amatriciana casam com Chianti Cecchi

Este belo prato que comi em um restaurante italiano no que sempre chamo de Riverside 2 , foi uma delicia e harmonizado muito bem com o vinho. Se você quiser saber, este bom restaurante vale a pena. O código postal é: SE1 7BL - Londres.




Mas se você quer correr o risco de fazer em casa, é uma sugestão da receita:

Ingredientes:
500 gramas de macarrão de trigo duro
250 gramas de bacon
500 gramas de tomate pelado
50 mililitros de vinho branco seco
150 gramas de queijo parmesão
50 gramas de cebola
50 mililitros de azeite
Sal
Açúcar, se necessário

Preparação:
1.     Corte a cebola eo bacon em cubos pequenos.
2.     Coloque o azeite na panela e deixe-o aquecer, coloque o bacon e deixe-o começar a dourar. Adicione a cebola e refogue um pouco.
3.     Adicione tomates picados e vinho e cozinhe até se tornar um molho.
4.     Tempere com o sal, e se o molho estiver muito ácido correto com um pouco de açúcar.
5.     Adicione o queijo parmesão, deixe entrar.

6.     Cozinhe o macarrão al dente, adicione o molho, misture e sirva imediatamente.

Você pode ver a harmonização AQUI

sábado, 12 de agosto de 2017

Restaurante Yoshino Londres_CasacomVinho



Sabe aqueles lugares pequeninos e charmosos que você entra por acaso e fica encantada?

Esse é o caso do restaurante Yoshino. Eu estava andando em Picadilly, um dia cansada após sair do trabalho e queria um lugar gostoso para comer. Coloquei no google maps restaurante japonês e apareceu esse.
Claro que briguei um pouco com o google até achar pois o restaurante é em uma ruazinha escondida...


Eu escolhi o menu degustação. Eles tem 3 opções de menu degustação e pratos a la carte.



O atendimento é impecável, a comida é muito bem feita, eles tem uma pequena e boa carta de vinhos, saquês, cervejas.
Não é um restaurante super barato, mas dos japoneses não é o mais caro.
Realmente recomendo, já fui algumas vezes e levei amigos...
Se for em um grupo recomendo reservar a mesa pois o restaurante não é muito grande.

Yoshino Restaurant
020 7287 6622
3 Piccadilly Place
London W1J 0DB