segunda-feira, 4 de agosto de 2014

E-commerce de vinhos cresce no Brasil

A venda de vinhos pela internet vem crescendo de forma acelerada no Brasil, mas ainda existe preconceito e resistência por parte de alguns consumidores, porém é um caminho sem volta. A análise é de Almir Anjos, pós graduado em Marketing pela ESPM e sommelier especialista em e-commerce em vinhos.
A loja física ainda oferece a vantagem do contato pessoal do cliente com os profissionais especializados. Porém com as novas tecnologias e com um bom conteúdo, os meios virtuais estão ocupando o seu espaço minimizando a ausência do vendedor.
O consumidor virtual é diferente do cliente físico, apesar de várias pessoas comprarem pelos dois canais. O sommelier destaca que muitos ainda gostam de tocar o produto no momento da compra. E as lojas virtuais não oferecem produtos de alta gama em função de safras e de preços.
Anjos, ex-proprietário da Vinnobile e responsável pela compra de vinhos para a Evino, critica a forma como algumas empresas virtuais atuam enviando milhares de e-mails de promoções ao consumidor. “No futuro apenas empresas com uma seleção especial de vinhos e com foco no cliente permanecerão no mercado”, diz.
Para quem ainda não se rendeu à compra virtual o especialista observa as facilidades neste canal de consumo: segurança (recebendo em casa), competitividade em preços e curadoria na escolha dos vinhos procurados. Para os iniciantes no mundo do vinho Anjos sugere pesquisar preços e promoções, ler sobre os produtos e ver se eles se adequam à preferência pessoal se identificando com uma uva, país ou até com as condições de pagamento do site antes da aquisição.
Colaborador em várias revistas especializadas no setor vínico e autor do blog Vinho dos Anjos, o sommelier observa que o perfil de consumo do público brasileiro tem se modificado. “Não são apenas os vinhos chilenos e argentinos que estão na preferência do público brasileiro. Com o estudo e conhecimento as pessoas se abrem para experimentar novas possibilidades sem medo de errar, o que torna o trabalho do profissional do vinho bem mais gratificante”, avalia.
Para o leitor do Casa com Vinho, Anjos destacou a sua preferência pelas uvas Cabernet Sauvignon, Pinot Noir e Chardonnay. Também demonstrou a sua simpatia pelos vinhos franceses das regiões de Borgonha, Bordeaux e Chablis, e pelos espumantes nacionais.

Para os iniciantes, sugere o Manual Didático do Vinho – Iniciação a Enologia de Daniel Pinto.