sábado, 7 de junho de 2014

Vinho uruguaio De Lucca na Expovinis 2014

A Expovinis desse ano estava bem menor mas a qualidade dos vinhos que provei era muito boa.
Começamos a visita no Uruguai, na Bodega De Lucca.


A amiga Jéssica de O Canal do Vinho

Gostei muito dos vinhos, e o senhor Reinaldo De Lucca (de família italiana) nos recebeu muito bem no stand e no explicou sobre seus vinhos e sua vinícola. Muito simpático e atencioso.


Vale a pena experimentar seus vinhos, muito bons, com muita personalidade, mas muito equilibrados e elegantes...








Cortiça vem de árvore e é usada para vedar garrafas de vinho há séculos



Fundamental para a conservação do vinho, a cortiça natural é obrigatoriamente encontrada nas garrafas dos produtos de qualidade superior. São pelo menos 43 anos de desenvolvimento da árvore até que atinja o ponto de corte para vedar os recipientes. No Brasil a produção local começou na década de 40 com um empresário português.
Conhecida popularmente com o nome de cortiça, o produto leve, impermeável, biodegradável e resistente é na verdade a casca do sobreiro. As primeiras árvores identificadas como sobreiros datam de milhões de anos. Em 3.000 a.C. o produto já era utilizado no Egito, na Babilônia e na Pérsia. Recipientes contendo vinho e vedados por cortiça estão presentes desde o século V a.C.
A grande revolução na indústria vinícola aconteceu no século XVII, com Dom Pérignon. O monge francês, que ficou famoso pelo seu champanhe, decidiu procurar uma alternativa às rolhas da época, todas feitas em madeira envolta em cânhamo embebido em azeite. Ele elegeu a cortiça que até os dias de hoje acompanha a evolução da indústria de vinhos.
A retirada da cortiça obedece a um ciclo e pode ser feita apenas a cada nove anos. As árvores não são cortadas. Elas são descascadas, como se fossem mandiocas. O sobreiro leva 25 anos para ser descortiçado pela primeira vez. Mas somente a partir do terceiro descortiçamento, aos 43 anos, ele pode ser usado para a produção de rolhas.  
A extração é feita por profissionais especializados e sempre no verão. O sobreiro é a única árvore cuja casca se autorregenera, adquirindo uma textura mais lisa após cada extração. Ele pode ser descortiçado cerca de 17 vezes ao longo da vida, com duração média de 200 anos.
No Brasil a cortiça é produzida pela Corticeira Paulista desde fevereiro de 1946. Ela foi fundada pelo imigrante português, José Dias Coelho Sobrinho. Ele trouxe para o Brasil a tradição familiar de cultivo, extração e processamento do produto.
A cortiça não se presta apenas para vedar garrafas de vinho. Nas duas primeiras extrações do sobreiro, por exemplo, é tirada matéria-prima para isolamento e para pavimento. Nos primórdios, já era usada para pesca e foi encontrada em cemitérios cartagineses na Sardenha em lâminas gravadas e que provavelmente revestiam porta-jóias. Também há alguns milênios os egípcios a utilizaram como tampão para vedar ânforas que armazenavam alimentos dentro dos sarcófagos.